Volta ao índice inicial

 

PROGRAMAÇÃO - 23 anos

FEVEREIRO 2015

 

21 de fevereiro  -  sábado - 11h
confraternização pelos 23 anos

28 de fevereiro  -  sábado - 11h
sábado PerVersos - poesia em questão

março 2015

 

14 de março  -  sábado - 10h30
conversa de livraria

20 de março  -  sexta-feira - 19h30
leitura poética
28 de março  -  sábado - 11h
sábado PerVersos - poesia em questão
30 de março  -  2ª feira - 19h
fórum permanente de debates culturais do grande abc

 

FEVEREIRO

21 de fevereiro (sábado) 11h 

de intensa vida cultural.

 

21.02.2015, sábado, 11h00

PROGRAMAÇÃO DE ANIVERSÁRIO (23 ANOS)

 

1) Exposição “perdidos-achados-escritos”

2) Apresentação dos livros  
Tarso de Melo Poemas
1999-2014 e
Outras Ruminações
(Reynaldo Damazio, Rui Proença e
Tarso de Melo, org).

 

 

 

Exposição
"perdidos-achados-escritos"
celebra 23 anos da Livraria Alpharrabio

 

 

"perdidos-achados-escritos"

 

“Asa de inseto, nota de dez mil-réis, cartão de visita, recorte de jornal, papelzinho com garranchos, recibo de farmácia, bula de sonífero, de sedativo, de analgésico, de antigripal, de composto de alcachofra, há de tudo ali dentro. E cinzas, sacudir um livro do meu pai é como soprar um cinzeiro”.

Chico Buarque (O Irmão Alemão)

 

No próximo dia 21 de fevereiro, a Livraria e Centro Cultural Alpharrabio completará 23 anos de intensa vida cultural.

 

As atividades, que já ultrapassaram a casa dos mil, não se limitaram às apresentações artísticas, mas também à inserção na vida cultural da cidade e da região, através de debates e ações de cobrança de políticas públicas.

 

A festa, como sempre, será revestida de significados simbólicos.

 

A exposição "perdidos-achados-escritos", com trabalhos de cinquenta e três pessoas que aceitaram o desafio de criar microtextos sobre objetos "perdidos/achados" dentro dos livros usados que a livraria comercializa e que foram guardados como parte dessa história.

 

Abaixo, um texto de Adélia Nicolete (professora, escritora, dramaturga), idealizadora da exposição e coordenadora de dois ateliês relâmpago que tiveram nesses objetos a motivação da escrita.

 

 

 

 

Fragmentos de vidas

 

Quem ama os livros e faz deles companheiros sabe que são bem mais que um ajuntamento de folhas impressas. Diversão, ensinamento, desafio, válvula de escape, oráculo, tudo isso um livro pode ser. E quando falamos do objeto livro outras funções se agregam e ele pode virar carteira, pasta, arquivo, cofre, esconderijo. No momento em que o livro deixa de ser o seu conteúdo e passa a ser um continente, quase tudo nele cabe. Há livros em que nós mesmos nos guardamos!

 

Imaginem agora um sebo. Muitos e muitos livros que, além das palavras e imagens neles inscritas, guardam um pouco da história de seus leitores e companheiros. Não é de se espantar, quando se abre um deles ao acaso, a chuva de pequenos itens que ali fizeram morada. Tanto tempo guardados entre as páginas, que aprenderam a ser livro também e é assim que eles se reconhecem.

 

Um livreiro que se preze divisa em cada objeto encontrado o fragmento de uma vida, ali deixado e, por uma série de motivos, esquecido. Por que não criar para cada um deles pequenos textos e estabelecer um diálogo criativo com novos leitores? Por que não dar a eles um destino de livro, verdadeiro, impresso para que possam guardar, talvez, novos itens e novos fragmentos de vida?

 

Adélia Nicolete

 

 

Poemas 1999-2014

 “Poemas 1999-2014” reúne os seis livros de poesia de Tarso de Melo (Santo André, 1976) e poemas esparsos mais recentes, marcando os 15 anos da edição do primeiro de seus livros, “A lapso”, de 1999, que foi seguido por “Carbono” (2002), “Planos de fuga e outros poemas” (2005), “Lugar algum” (2007), “Exames de rotina” (2008) e “Caderno inquieto” (2012), todos lançados originalmente em alguns dos mais prestigiados catálogos da poesia brasileira contemporânea. Nas palavras do poeta e crítico Guilherme Gontijo Flores, a obra de Tarso de Melo, “além de impressionar pelos poemas, o que mais chama atenção – a meu ver – é o percurso. Tanto o percurso interno dos livros, onde estão cada um dos poemas, quanto o percurso maior entre os livros (...). Esse percurso é marcado por uma crescente concretude (nada de concretismo) da linguagem e dos temas – Tarso faz parte de uma tradição de embate com o espaço urbano, de confrontamento direto com o presente, em que a poesia não serve de subterfúgio, escapatória, ou salvação. (...) É nesse mundo em conflito, permeado de dor e do desejo de poesia, que sua poesia caminha”.

Dobra Editorial

 

Outras ruminações
75 poetas e a poesia de Donizete Galvão

(Reynaldo Damazio, Tuy Proença, Tarso de Melo [org.])
Selo Donizete Galvão de Poesia, Dobra Editorial

 

Esta é uma coletânea rara, feita em torno de temas essenciais à poesia: a amizade e a imortalidade. Assim, em vez de reunir poetas representativos de uma geração ou de dividi-los por regiões do país ou em movimentos artísticos, encontramos tão bem orde­nada a produção de 75 poetas contemporâneos – a maioria brasileiros – apresentando o seu melhor e com uma solenidade inédita: trata-se de dialogar com os versos de 15 poemas de Donizete Galvão. 

O poeta que partiu na madrugada do dia 30 de janeiro de 2014, aos 58 anos, e que agora sobrevive tanto em seus versos, como renasce nos poemas desta antologia.

 

AUTORES PARTICIPANTES:

Adolfo Montejo Navas • Alberto Bresciani • Alberto Martins • Alessio Brandolini • Alexandre Bonafim • Alexandre Guarnieri • Álvaro Alves de Faria • André Luiz Pinto • André Vallias • Andréa Catropa • Annita Costa Malufe • Antonio Carlos Secchin • Ariane Alves • Bruno Brum • Carlos Augusto Lima • Carlos Felipe Moisés • Carlos Loria • Carlos Machado • Chantal Castelli • Dalila Teles Veras • Diniz Gonçalves Junior • Dirceu Villa • Donizete Galvão • Edimilson de Almeida Pereira • Eduardo Lacerda • Eduardo Sterzi • Elisa Andrade Buzzo • Fabiano Calixto • Fabio Weintraub • Fabrício Marques • Gilberto Nable • Guilherme Gontijo Flores • Heitor Ferraz Mello • Helena Terra • Iacyr Anderson Freitas • Italo Moriconi • João Filho • Júlia Studart • Júlio Castañon Guimarães • Júlio Machado • Kleber Mantovani • Leandro Sarmatz • Leila Guenther • Leonardo Gandolfi • Lilian Aquino • Luis Aguilar • Luiz Gonzaga • Luiz Roberto Guedes • Luiz Ruffato • Manoel Ricardo de Lima • Marcos Siscar • Mario Alex Rosa • Moacir Amâncio • Nina Rizzi • Pádua Fernandes • Paulo Ferraz • Prisca Agustoni • Priscila Figueiredo • Renan Nuernberger • Reynaldo Damazio • Ricardo Rizzo • Rodrigo Petronio • Ronald Polito • Rosa Mattos • Rosana Piccolo • Ruy Espinheira Filho • Ruy Proença • Sérgio Alcides • Simone Brantes • Sônia Barros • Tarso de Melo • Tulio Villaça • Vera Lúcia de Oliveira • Veronica Stigger • Victor del Franco • Victor Oliveira Mateus


SOBRE DONIZETE GALVÃO: 

Donizete Galvão de Souza nasceu em Borda da Mata, MG, em 24 de agosto de 1955, e residiu em São Paulo a partir de 1979, onde viveu com sua esposa, Ana Tereza Marques, e os filhos Bruno (1984) e Anna Livia (1992). Cursou a Faculdade de Administração de Empresas de Santa Rita do Sapucaí (MG) e, em São Paulo, fez jornalismo na Cásper Líbero. Trabalhou como jornalista e publicitário. Morreu em São Paulo em 30 de janeiro de 2014 e faz uma falta tremenda.

Publicou os seguintes livros de poesia:

Azul navalha — São Paulo: T. A. Queiroz Editor, 1988.
As faces do rio — São Paulo: Água Viva, 1991.
Do silêncio da pedra — São Paulo: Arte Pau-Brasil, 1996.
A carne e o tempo — São Paulo: Nankin Editorial, 1997.
Ruminações — São Paulo: Nankin Editorial, 1999.
Pelo corpo [com Ronald Polito] — Santo André: Cacto/Alpharrabio, 2002.
Mundo mudo — São Paulo: Nankin Editorial, 2003.
O homem inacabado — São Paulo: Portal/Dobra, 2010.

 

SOBRE O SELO DONIZETE GALVÃO DE POESIA:

Coord. Ana Tereza Marques

Esta antologia é o primeiro título do Selo Donizete Galvão de Poesia, que reunirá livros de poesia contemporânea identificados pela lamparina de autoria do artista plástico Rogério Barbosa. Da lamparina, disse-nos o poeta em “Lições da noite”: “A brevidade de sua chama/ e a baixa luz com que nos ilumina/ lembram-nos de que a noite é nossa sina”.

Serviço:

23º Aniversário da Alpharrabio Livraria
Data: 21.02.2015, sábado, às 11h

 1- Exposição “perdidos-achados-escritos”
Idealizada por Adélia Nicolete

Abertura: 21 de fevereiro de 2015 (sábado) 11h
Até 25 de abril de 2015 (sábado)

Curadoria: Adélia Nicolete, Dalila Teles Veras e Luzia Maninha

Organização, produção e projeto expográfico:
Adélia Nicolete, Dalila Teles Veras, Eliane Teressam Ferro, Fátima Roque, Luzia Maninha, Rosana Chrispim e Zhô Bertholini

 

2-  Apresentação dos livros  
Tarso de Melo Poemas
1999-2014 e
 

Outras Ruminações
(
Reynaldo Damazio, Rui Proença e Tarso de Melo, org).

 

Local: Alpharrabio Livraria
Rua Dr. Eduardo Monteiro, 151 - Jardim Bela Vista
Santo André - fone: 4438-4358
Entrada Franca

23 de fevereiro (2ª  feira) 19h 

 

 

Reunião do Fórum Permanente de Debates Culturais do Grande ABC, O Fórum é composto por um grupo de pessoas interessadas em criar um processo participativo e crítico das políticas públicas da cultura e da ação cultural na região do Grande ABC, bem como integrar ações regionais. Esse grupo vem se reunindo nas dependências da Livraria Alpharrabio, desde novembro de 2007.

 

28 de fevereiro (sábado) 11h 

 

Sábado PerVersos - poesia em questão

(Fernando Pessoa)
 

 

MARÇO

14 de março (sábado) 10h30 

Conversa de livraria

como Prof. José de Souza Martins

e lançamento dos livros

Desavessos - Crônicas de poucas palavras e

Linchamentos: a justiça popular no Brasil

 

 

 

Desavessos - Crônicas de poucas palavras, Editora Com-Arte, São Paulo, 2014, 138 p., crônicas e fotografias. Desavessos é um livro dedicado a pessoas do Grande ABC, com crônicas inspiradas nas ruínas da Cerâmica São Caetano e em Paranapiacaba e fotos em P&B feitas nesses locais.


Linchamentos: a justiça popular no Brasil

O Brasil está entre os países que mais lincham no mundo. Essas ações, motivadas por atos gravíssimos de estupro de crianças, por casos de incesto, por roubos que vitimam pessoas pobres e desvalidas, culminam no trucidamento violento dos acusados. 
Embora no geral seja curta a duração do ódio que move essas ações, não é pequeno o elenco dos momentos do ato de linchar. Eles vão da perseguição ao apedrejamento, ao espancamento, à mutilação do linchado e, não raro, ao seu extermínio pelo fogo, estando ainda vivo. A crueldade da multidão é demarcada e regulada por valores e procedimentos do justiçamento arcaico, que nos remetem a normas e critérios da Inquisição e das Ordenações Filipinas. Pouco diferem os nossos linchamentos de hoje dos que entre nós já eram praticados desde o primeiro de que se tem notícia, na Bahia, em 1585.

Nº de Páginas: 208
Formato: 16 x 23
ISBN: 978-85-7244-891-8
 

José de Souza Martins

José de Souza Martins é um dos mais importantes cientistas sociais do Brasil. Professor titular aposentado de Sociologia e professor emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), foi eleito fellow de Trinity Hall e professor da cátedra Simón Bolívar da Universidade de Cambridge (1993-1994). É mestre, doutor e livre-docente em Sociologia pela USP. Foi professor visitante na Universidade da Flórida (1983) e na Universidade de Lisboa (2000). Foi membro da Junta de Curadores do Fundo Voluntário da ONU contra as Formas Contemporâneas de Escravidão (Genebra, 1996-2007). Professor Honoris Causa da Universidade Federal de Viçosa, doutor Honoris Causa da Universidade Federal da Paraíba e doutor Honoris Causa da Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Autor de diversos livros de destaque, ganhou o prêmio Jabuti de Ciências Humanas em 1993 – com a obra Subúrbio –, em 1994 – com A chegada do estranho – e em 2009 – com A aparição do demônio na fábrica. Recebeu o prêmio Érico Vannucci Mendes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em 1993, pelo conjunto de sua obra, e o prêmio Florestan Fernandes da Sociedade Brasileira de Sociologia, em 2007. Pela Contexto, publicou os livros A sociabilidade do homem simples, Sociologia da fotografia e da imagem, Fronteira, O cativeiro da terra, A política do Brasil lúmpen e místico, A Sociologia como aventura e Uma Sociologia da vida cotidiana.


Data: 14 de março, sábado, 10h30

Conversa de livraria com  o Prof. José de Souza Martins e
lançamento dos livros

Desavessos - Crônicas de poucas palavras e

Linchamentos: a justiça popular no Brasil

Local: Alpharrabio Livraria
Rua Dr. Eduardo Monteiro, 151 - Jardim Bela Vista
Santo André - fone: 4438-4358
Entrada Franca

20 de março (6ª  feira) 19h30 

 

Leitura Poética O Prazer da Língua 
com Rubervam Du Nascimento acompanhado 
com os músicos Ronaldo Nunes e 
Igor Seiji

Manifesto poético + exibição de vídeo + música + lançamento de espólio, edição de bolso, livro de poemas premiado do escritor Rubervam Du Nascimento

Do programa, constam textos dos escritores: Mia Couto, Cláudio Feldman, Paulina Chiziane, Rosana Chrispim, Luis Carlos Patraquim, José Marinho do Nascimento, Ana Malfada Leite, Jurema Barreto de Souza, João Paulo Borges Coelho, Tonia Ferr, Rui Knopfli, Valdecirio Teles Veras, Ungulani Ba Ka Khosa, Fabiano Calixto, Nataniel Ngomane, Zhô Bertholini, José Craveirinha, Antonio Possidonio Sampaio,Conceição Bastos, Danúbia Ivanoff, Mateus Novaes, Airton Mendes, Edson Bueno de Camargo, Liliane Pinatti, Letícia Mendonça, Vitória Espósito, Therezinha Malta, Filadelfo de Sousa, Tarso de Melo, Dalila Teles Veras e Francis de Oliveira.

Local: Alpharrabio Livraria
Rua Dr. Eduardo Monteiro, 151 - Jardim Bela Vista
Santo André - fone: 4438-4358
Entrada Franca 

 

28 de março (sábado) 11h 

 

Sábado PerVersos - poesia em questão

 

 

30 de março (2ª  feira) 19h 

 

 

Reunião do Fórum Permanente de Debates Culturais do Grande ABC, O Fórum é composto por um grupo de pessoas interessadas em criar um processo participativo e crítico das políticas públicas da cultura e da ação cultural na região do Grande ABC, bem como integrar ações regionais. Esse grupo vem se reunindo nas dependências da Livraria Alpharrabio, desde novembro de 2007.

 

Apoio: www.bartiragraf.com.br
Tel.: (11) 4393.2911



 horário de funcionamento

de segunda/sexta, das 13 às 19h

sábado, das 9h30 às 13h

 

ATENÇÃO

Nosso endereço:
 Rua Eduardo Monteiro, 151 - Jd. Bela Vista
Santo André - SP - Brasil

Fone: (11) 4438.4358 - e-mail: alpharrabio@alpharrabio.com.br

www.alpharrabio.com.br

 

Visite a Livraria e o Café Alpharrabio

Índice | Livraria | Editora | Centro Cultural | Abecês | Mapa do Site | Envie o seu comentário