Volta ao índice inicial

"OBSERVATÓRIO DO POEMA"

12 de março  - sábado (observatório X)

12 de fevereiro  - sábado (observatório IX)

18 de dezembro  - sábado (observatório VIII)

13 de novembro  - sábado (observatório VII)

09 de outubro  - sábado observatório VI

04 de setembro  - sábado observatório V

14 de agosto  - sábado observatório IV)

24 de julho  - sábado observatório III)

26 de junho  - sábado observatório II)

05 de junho  - sábado (observatório I)

OBSERVATÓRIO DO POEMA

leituras de texto / contexto contemporâneo

 

O Observatório do poema ” consiste num grupo aberto de leitura e debate sobre poemas contemporâneos cuja interpretação margem não a questionamentos próprios da poesia , mas também a repensar algumas visões de mundo que , não questionadas, acabam se consolidando. Ou melhor , poemas que sejam capazes de apresentar visões de mundo que lancem seu interesse para muito além de suas fronteiras ( característica , ademais , de toda boa poesia ) e que , bumerangues , retornem sempre para o poema .

E com isso não se afirma que o poema é mais interessante pela habilidade que possui de apontar para coisas fora de si , mas , pelo contrário , que seu interesse está justamente no modo como consegue trazer as experiências da vida para a poesia . Nesse jogo , de apontar e se apropriar , o poema é quem sai ganhando, invariavelmente.

A idéia do grupo , portanto , parte da convicção de que um poema contém apenas e tão-somente poesia , mas que normalmente o que se chama de poesia é muito menos do que a poesia , nos poemas , consegue ser . Tal exercício visa , enfim , atacar dois preconceitos bastante compartilhados: (I) que a poesia interessa (e é acessível ) aos poetas e (II) que a leitura crítica é coisa para especialistas , eruditos , poucos . ( Claro , não serve para abalá-los o outro extremo da corda – de que o poema é apenas aquilo que o leitor queira fazer dele. No plano da leitura , entre a extrema especialização e a extrema diluição no subjetivo , o poema se perde – daí que o investimento do leitor deva ser mais complexo .)

Se é óbvio que a leitura do poema , em cada pessoa , corresponde ao repertório pessoal em que os “ dados ” do poema serão lançados (seguindo-se harmonias e choques inesperados ), não é aceitável que essa relação , naturalmente rica , possa ser assassinada pela convicção de que para ler poesia é necessária uma formação específica . Cada poema traz em si uma realidade : uma referência obscura no texto deve funcionar obscuramente frente à interpretação , ou seja, muitas vezes , quando esclarecida , perde sua função .

Estão, assim , na expressão Observatório do poema ”, tanto a sugestão de um lugar em que se observa o poema , quanto a do poema como lugar a partir do qual se observa a realidade criticamente (e um outro preconceito a ser atacado , nesse sentido , é o de que ler poesia serve apenas para ler poesia e que o ciclo se encerra ).  


regras do jogo

O coordenador escolhe, a cada encontro , um ou dois poemas contemporâneos e o(s) repassa aos demais participantes. Junto com o poema , serão enviados pequenos trechos de comentários que , de alguma forma , com ele se relacionem, seja por razões diretamente poéticas ( crítica , teoria , depoimentos de autores ), seja por razões temáticas , culturais, conjunturais ( história , filosofia , sociologia etc.).

Os trechos , portanto , devem ser considerados apenas como provocação para leitura do poema sob determinados aspectos e, mais que isso , indicação de leitura de todo o texto de onde se destacou o trecho , bem como de outros autores . Com isso , é possível antecipar algumas indagações e aproveitar melhor o tempo da conversa .

No encontro , os participantes devem apresentar a folha em que cada poema está impresso , anotando nela a sua leitura do poema . As folhas , então , serão trocadas entre os participantes e cada um falará um pouco sobre o que leu no poema em relação aos trechos (e, se possível , textos ) indicados, às suas impressões pessoais e, além disso, se posicionará em relação às anotações da folha alheia que tiver em mãos .

A participação é livre e a única exigência é de que todos tenham lido e anotado algum comentário a respeito do poema . Imagina-se, assim , que esse exercício coletivo de leitura possa colaborar para uma melhor compreensão da poesia e de suas interfaces . E que , se será inicialmente difícil , aos poucos haverá maior desenvoltura nos comentários e, conseqüentemente , maior proveito no convívio com a literatura .

Os encontros serão quinzenais (aproximadamente), nas manhãs de sábado (das 10h às 12h), na Livraria Alpharrabio. O envio dos poemas (e dos trechos de provocação à leitura ) será feito com , no mínimo , uma semana de antecedência ; por email, para que cada um imprima seu próprio material e convide outras pessoas a participar .  

 
 

Observatório I   - 05 de junho de 2004

Observatório II - 26 de junho de 2004

Observatório III   - 24 de julho de 2004

Observatório IV - 14 de agosto de 2004

Observatório V   - 04 de setembro de 2004

Observatório VI   - 09 de outubro de 2004

Volta ao topo

O Alpharrabio (a livraria e o café)
 funciona no seguinte horário:

de segunda a sexta, das 12 às 19h 

sábado, das 10 às 19h.

ATENÇÃO

Nosso endereço:
 Rua Eduardo Monteiro, 151 - Jd. Bela Vista
Santo André - SP - Brasil

Fone: (11) 4438.4358 - e-mail: alpharrabio@alpharrabio.com.br

www.alpharrabio.com.br

 

Visite a Livraria e o Café Alpharrabio

Índice | Livraria | Editora | Centro Cultural | Abecês | Mapa do Site | Envie o seu comentário