Volta ao índice inicial

 

PROGRAMAÇÃO


JUNHO 2017

abril / junho
exposição


3 de junho
homenagem antonio possidonio sampaio (1931-2016)


6 de junho
conversa de livraria e lançamento


JULHO 2017


1 de julho
sábados perversos


3 de julho
fórum



JUNHO / JULHO 2017


 

Exposição

Alpharrabio: Um quarto de século na Casa do Infinito

 


 

A exposição Alpharrabio: Um quarto de século na Casa do Infinito  

 

mostra, por meio de imagens, livros e objetos um pouco da trajetória dos 25 anos do Espaço Cultural, o “lugar de estar”, o “lugar de partilhar”, o “lugar de criar”, o “lugar de debater”, o “lugar de praticar alteridades”..
 

A idealização da exposição é de Luzia Maninha Teles Veras e a montagem é assinada por Zhô Bertholini. Até junho de 2017

 



3 de junho (sábado) 11h 


I

 

Literatura e sonho operário

homenagem a Antonio Possidonio Sampaio


 

A literatura de Antonio Possidonio Sampaio (1931-2016) é o retrato dinâmico e afetivo das transformações da vida (inicialmente em São Paulo, mas fundamentalmente no Grande ABC) nas últimas décadas do século passado e neste tumultuado início de século, em que as mais importantes questões nacionais nos fazem voltar ao ambiente sindical de lutas e sonhos que Possidonio viveu e registrou por dentro. Seus romances, contos, diários reconstroem em detalhe a afirmação da identidade forte do ABC no auge das greves dos anos 1970 e, assim, nos permitem pensar não apenas sobre o passado da região (e do país), mas também sobre seus impasses atuais. Para lembrar a passagem de um ano desde sua partida, o Alpharrabio recebe uma conversa sobre sua obra entre alguns dos tantos amigos e leitores que fez durante suas andanças por essas terras que amou como poucos. Para provocar o debate, convidamos o poeta Tarso de Melo para fazer uma reflexão sobre a atualidade da obra de Possidonio, a partir das questões levantadas na apresentação que escreveu para o volume No ABC dos peões (edição conjunta e revista de ‘A Capital do Automóvel’ e ‘Lula e a Greve dos Peões’), em 2003, ano em que o principal personagem daquelas obras de Possidonio se tornaria presidente da República. A história só começou?

 



6 de junho (3ª feira) 18h30 


 

Conversa de Livraria com
José de Souza Martins, seguida de lançamento do livro
O CORAÇÃO DA PAULICÉIA AINDA BATE

 

 

Neste livro, José de Souza Martins reúne crônicas inéditas e crônicas baseadas em artigos sobre a cidade de São Paulo e a região metropolitana publicados no caderno "Metrópole" do jornal O Estado de S. Paulo, durante nove anos, de 2004 a 2013. O autor volta um olhar terno, por vezes bem-humorado, outras vezes nostálgico, sobre cantos e recantos paulistanos. Mesclam-se nos saborosos textos o olhar historiográfico, o olhar do sociólogo, mas sobretudo o olhar literário do cronista. Trata-se de um passeio agradabilíssimo pela cidade, que descortina ao leitor insuspeitadas histórias que se escondem nas ruas, nos casarões, nos monumentos de São Paulo.

 

Já se vão quase 60 anos que o escritor e sociólogo José de Souza Martins observa a cidade de São Paulo. Ele circula por ela, caminha por suas memórias. O “arqueólogo do imaginário” não pode ter pressa. Após o exame detalhado de um dos lugares mais movimentados do mundo, o diagnóstico: O coração da Pauliceia ainda bate. Coedição da Editora Unesp e Imprensa Oficial, este livro traz crônicas inéditas ao lado de uma seleção de textos publicados nos jornais O Estado de S. Paulo, de 2004 a 2013, e Folha de S.Paulo. 

 

“Não sou o transeunte distraído, que se deixa levar pelo acaso de trajetos. Mas faço de conta que me perco para melhor aprender com as ricas e muitas lições do acaso”, escreve Martins. Ele recolhe a cidade em várias fotografias e pedaços de papel anotados que guarda nos bolsos. “Busco depois informações documentais que me permitam aprofundar no tempo as constatações feitas na horizontalidade do espaço”, explica. “O tempo de São Paulo é uma superposição de idades.” E, a partir delas, a obra se divide em cinco capítulos: a São Paulo  Colonial, o momento da passagem pelo século da Independência do Brasil, a São Paulo romântica, outra da Revolução de 1932 e da vida comum, e, por fim, a Pauliceia imaginária.  

 

Desta forma, o escritor passeia pelo presente e por suas intersecções com o passado, palmilhando as ruas do Centro Velho, as antigas rotas de comerciantes, escravos, ouvindo seus sussurros, que ficaram em textos, em monumentos, em sacristias e presbitérios, em capelas, e também nas ruas, nas esquinas, nas praças, nos barulhos e silêncios. “O mestre da Sociologia vê a cidade com olhos de poeta”, completa o poeta Paulo Bonfim, a quem o livro é dedicado de forma especial. “A Pauliceia revive ora palpitante, ora melancólica, nas andanças evocativas do autor.”

 

  • Sociólogo José de Souza Martins. Crédito da foto: German Lorca

     

  • Sobre o autor – Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1970), José de Souza Martins, 78 anos, é professor titular aposentado da USP e foi eleito em 2015 para a cadeira nº 22 da Academia Paulista de Letras. Na docência e na pesquisa científica, é autor nas áreas de Sociologia da Vida Cotidiana, Sociologia Visual e Sociologia dos Movimentos Sociais. Tem feito pesquisas e escrito sobre a questão agrária, sobre a Amazônia, sobre fotografia, sobre o subúrbio e sobre comportamento coletivo. Escreveu nos jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S.Paulo. Atualmente é colunista do suplemento Eu & Fim de Semana, do jornal Valor Econômico.

  •  

  • ASSUNTOS: Letras / Linguística / Sociologia

  • ANO: 2017

  • ACABAMENTO: Brochura

  • PÁGINAS: 432

  • EDIÇÃO: 1

  • ISBN: 9788539306411

  • PESO: 555g

  • FORMATO: 14 X 21



de julho (sábado) 11h 

 

 

Sábados PerVersos: Encontro mensal voltado à leitura crítica de poesia, com entrada franqueada a todos os interessados em poesia. 

 

A proposta consiste em reunir poetas e apreciadores de poesia, no sentido de discutir, estudar, ler e fruir esse gênero literário. O coordenador(a) elege um ou mais poemas de dois poetas contemporâneos, comenta-os e abre para discussão. A cada mês há revezamento da coordenação.
 

Os encontro ocorrem deste novembro de 2014, todo último sábado do mês.



3 de julho (2ª  feira) 19h 

 

 

Reunião do Fórum Permanente de Debates Culturais do Grande ABC

 


 

Fórum Permanente de Debates Culturais do Grande ABC, O Fórum é composto por um grupo de pessoas interessadas em criar um processo participativo e crítico das políticas públicas da cultura e da ação cultural na região do Grande ABC, bem como integrar ações regionais. Esse grupo vem se reunindo nas dependências da Livraria Alpharrabio, desde novembro de 2007.

 


 

 horário de funcionamento

de segunda/sexta, das 13 às 18h30

sábado, das 9h30 às 12h30

 

ATENÇÃO

Nosso endereço:
 Rua Eduardo Monteiro, 151 - Jd. Bela Vista
Santo André - SP - Brasil

Fone: (11) 4438.4358 - e-mail: alpharrabio@alpharrabio.com.br

www.alpharrabio.com.br

 

Visite a Livraria e o Café Alpharrabio

Índice | Livraria | Editora | Centro Cultural | Abecês | Mapa do Site | Envie o seu comentário