Volta ao índice inicial

Programação cultural
Lançamentos de Livros-Exposições
Música-Teatro- Conversas na Livraria
Leituras de Poesia

 

NOVEMBRO/2006

 
 

8 de novembro (quarta)

 

CINECLUBE

Tema: EUTANÁSIA

 

 

 

quarta, 8 de novembro de 2006 - 15h

 

Tema mês de novembro EUTANÁSIA

MAR ADENTRO

 

Ramón Sampedro (Javier Bardem) é um homem que luta para ter o direito de pôr fim à sua própria vida. Na juventude ele sofreu um acidente, que o deixou tetraplégico e preso a uma cama por 28 anos. Lúcido e extremamente inteligente, Ramón decide lutar na justiça pelo direito de decidir sobre sua própria vida, o que lhe gera problemas com a igreja, a sociedade e até mesmo seus familiares. Vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

 

 

Ficha Técnica
Título Original: Mar Adentro
Tempo de Duração: 125 minutos
Ano de Lançamento (Espanha):
2004

Direção: Alejandro Amenábar
Roteiro: Alejandro Amenábar e Mateo Gil


 Atividade do Cineclube Alpharrabio – Cinéfilos, coordenados pelo prof. Edmundo Epifanio, conversam sobre os mais variados aspectos do cinema. O grupo está em formação e aceita participação de interessados. Agora são quinzenais (primeiras  e terceiras quartas do mês)

  http://cineclubeemsantoandre.blogspot.com/

 Volta ao topo

(sábado) 11 de novembro - 10 h

 

 

OBSERVATÓRIO DO POEMA 2006

– o arco , a lira e a poesia contemporânea

coordenação : Tarso de Melo

  Em 2006 comemora-se – e é, de fato, algo a ser comemorado – o 50.º aniversário de edição do riquíssimo livro El arco y la lira , do poeta mexicano Octavio Paz (1914-1998). Aproveitando a efeméride , o Observatório do poema deste ano será dedicado a uma tarefa longa , prazerosa e exigente: realizar a leitura integral dessa obra de Paz lado a lado com alguns dos principais textos sobre poesia contemporânea brasileira.

O propósito da empreitada é aprofundar as discussões sobre questões atuais que são o objeto do Observatório há 19 encontros com o auxílio propiciado pelas reflexões de um grande poeta sobre seu ofício . O famoso livro de Octavio Paz se defronta com uma questão gigantesca sobre a especificidade do poético: há um modo de dizer – a poesia que não pode ser reduzido a qualquer outro ? Para responder a tal questão, Paz recorre a uma erudição impressionante , cruza os séculos , investiga as transformações do fazer poético, mas ainda mais impressionante é a leveza com que suas idéias – e, se é possível separar , seu texto sedutor – perpassam os imensos obstáculos que se colocam diante de qualquer tentativa de reduzir a questão e confundir poesia ( jogo que não se conforma a regras ) e poema ( essecaracol onde ressoa a música do mundo”).

El arco y la lira conta , assim , de um leque imenso de dúvidas . É estimulante o modo como sua investigação amarra passado e presente, Oriente e Ocidente , ao descobrir as profundas continuidades entre a poesia das épocas e lugares mais distantes; os cinqüenta anos que se passaram desde seu lançamento não abalam (e a leitura detida que faremos será importante para sustentar a afirmação) em nada a relevância da contribuição de Paz para a compreensão das diversas formas atuais de manifestação da poesia .

Nosso objetivo, assim, será seguir o pensamento de Paz , apreendendo criticamente o alcance de suas reflexões , para alimentar os debates sobre a produção contemporânea . Para tanto, o livro de Paz foi dividido em dez partes, cuja leitura será acompanhada, a cada mês, de um texto sobre poesia contemporânea (ensaios de caráter geral, resenhas, depoimentos de poetas) e, conseqüentemente, da leitura dos livros a que se referem tais textos (ou, ao menos, dos poemas referidos no corpo dos ensaios / resenhas ).

Se for possível, ao final, descobrir as pontes e os abismos entre o quadro pintado em El arco y la lira e a poesia que se fez no último meio século e aquela que se faz hoje, o Observatório terá dado um passo tamanho. Se for possível, então, imaginar com muita petulância e algum acerto três ou quatro linhas que Octavio Paz gostaria de somar a uma edição de seu livro no ano de 2006, terá dado um salto.  

Há uma edição nacional de O arco e a lira, lançada em 1982, mas ela atualmente é de difícil acesso: esgotou há tempos na editora e raramente aparece nos sebos . Mais fácil de encontrar é a edição original em espanhol , da Fondo de Cultura Económica ( que publica as sucessivas edições da obra desde a primeira , em 1956, e tem uma livraria em São Paulo – tel. 3672.3397). A coletânea de ensaios lançada no Brasil em 1971 sob o título Os signos em rotação que provavelmente está em catálogo e é mais fácil de encontrar nos sebos – contém seis dos quinze ensaios de Paz que enfrentaremos; além do próprio “Os signos em rotação ”, traz ainda os textosVerso e prosa”, “A imagem”, “A consagração do instante”, “Ambigüidade do romance” e “O verbo desencarnado”.

Por fim, vale lembrar que o Observatório continua sendo um grupo aberto de debate sobre as mais diversas questões que interessam ao leitor de poesia . Pela própria natureza das discussões, não é absoluta a continuidade entre os debates mensais, nem é obrigatória a leitura prévia dos textos selecionados ( por mais que seja desejável e recomendável, para o melhor aproveitamento de nosso tempo, que sejam lidos!).


 

Os signos em rotação

- Octavio Paz , “Os signos em rotação em O arco e a lira (pp. 309/348)

- Eduardo Sterzi, “O mito dissoluto em Jandira, n. 1 (pp. 60/77)

[ ensaio sobre as “ metamorfoses ” do mito na poesia moderna e contemporânea no Brasil]

 Clique aqui (programação completa) 

Volta ao topo

 

11 de novembro (sábado) - 16 h

 

 

Idéias de encontro

Pensamento Atual

 

 

ANTONIO CANDIDO

 

 

“Humanização é o processo que confirma no homem aqueles traços que reputamos essenciais, como o exercício da reflexão, a aquisição do saber, a boa disposição para com o próximo, o afinamento das emoções, a capacidade de penetrar nos problemas da vida, o senso da beleza, a percepção da complexidade do mundo e dos seres, o cultivo do humor. A literatura desenvolve em nós a quota de humanidade na medida em que nos torna mais compreensivos e abertos para a natureza, a sociedade, o semelhante”

 

 

Palestra da profa. Vera Lúcia Viera

sobre o pensamento atual de Antonio Candido

 

Antonio Candido (1918) 

(Sociólogo, ensaísta e crítico literário é autor , entre outros de Teresina, Brigada Ligeira , Os Parceiros do Rio Bonito e Formação da Literatura Brasileira )

 

Convidada : Vera Lucia Vieira (professora de História e doutora em História do Brasil pela PUC/SP)

 

 

 

Idéias de encontro

Pensamento Atual

 

 

Como o pensamento de Sócrates, transmitido por seus discípulos, pode nos ajudar a pensar melhor sobre nossa realidade? O que as idéias de Marx ou de Freud, depois de tudo que já foi feito e desfeito com elas, têm a contribuir para o nosso tempo? Por que as meditações de Montaigne ainda são fundamentais para o nosso entendimento? Por que as obras de Paulo Freire, Florestan Fernandes, Celso Furtado e Antonio Candido ainda justificam que as busquemos por baixo das camadas e mais camadas de livros que, em tão pouco tempo, já as sucederam?

O Alpharrabio, com o apoio da Faculdade Editora Nacional (FAENAC) retoma o ciclo IDÉIAS DE ENCONTRO, agora dedicado a palestras sobre o PENSAMENTO ATUAL de autores cujas idéias tiveram repercussão mundial, ajudará você a lidar com essas perguntas que muitos têm feito, num momento em que, cada vez mais, tudo o que parecia sólido se desmancha no ar...

Filosofia, política, educação, literatura, enfim, a vida e tudo o que foi objeto da reflexão desses pensadores mudou depois deles. E nossos convidados, todos eles acostumados à profunda convivência com as obras desses autores, apresentarão ao público e debaterão as principais idéias que eles defenderam, buscando revelar o quanto há de atual, de vivo, de (ainda) perturbador no que disseram.

Além de ser uma grande oportunidade para aprender sobre alguns dos principais pensadores de todos os tempos, o ciclo será um estímulo à reflexão mais firme, mais profunda, com olhos mais abertos, sobre nossas próprias questões.  



Idéias de encontro

Pensamento atual

 

 

21 fevereiro (terça - 18h)

Pensamento Atual : Montaigne (1533-1592)

Convidado : José Mindlin

 

11 março (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Karl Marx (1818-1883)

Convidado : Antonio Rago Filho

 

13 de maio (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Sócrates (c470 a.C. - 399a.C.)

Convidado : Marcos Sidnei Eusébio

 

10 de junho (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Paulo Freire (1921-1997)

Convidado : Daniel Pansarelli

 

12 de agosto (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Sigmund Freud (1856-1939)

Convidado : Siegfried Wehr

 

 16 de setembro (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Florestan Fernandes (1920-1995)

Convidado : João Carlos de Morais

 

21 de outubro (sábado - 16h)

Celso Furtado (1920-2004)

Convidada : Rosa Maria Vieira

 

11 de novembro (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Antonio Candido (1918)

Convidado : Vera Vieira

Volta ao topo

(terça) 21 de novembro - 18 às 21h

 

 

Lançamento do livro COMENDO SOL 

de Celso Batello

 

Apesar de ter sido escrito em linguagem coloquial, Comendo Sol de Celso Batello (Scortecci Editora), contempla o leigo, como também os iniciantes em nutrição, bem como os médicos principiantes na nutrologia, posto fornecer de forma concisa as informações básicas sobre a alimentação , descrevendo as mais importantes abordagens alimentares, para que o leitor possa se situar no espaço e no tempo a respeito deste tema maravilhoso desde que o “Homem é Homem”.

O autor inova quando aborda os apetites onto e filogenéticos, que devem ser respeitados a fim de que o indivíduo possa se alimentar de forma nutritiva, porém   prazerosa, de tal maneira feliz .

 

Volta ao topo

 

22 de novembro (quarta) - 15h

 

CINECLUBE

Tema de novembro: EUTANÁSIA

 

 

quarta, 22 de novembro de 2006 - 15h

 

Tema  ABORTO

 

O SEGREDO DE VERA DRAKE

 Londres, 1950. Vera Drake (Imelda Staunton) mora com seu marido Stan (Philip Davis) e seus filhos já crescidos, Sid (Daniel Mays) e Ethel (Alex Kelly). Eles não são ricos, mas formam uma família feliz e unida. Vera trabalha como faxineira e Stan é mecânico na oficina de seu irmão. Porém, Vera mantém uma atividade paralela que esconde do resto da família: sem aceitar pagamento, ajuda jovens mulheres a abortarem. Quando uma dessas garotas precisa seguir para o hospital, a polícia começa uma investigação que faz o mundo de Vera desabar.

Título Original: Vera Drake
Tempo de Duração: 125 minutos
Ano de Lançamento (Inglaterra): 2004

Direção: Mike Leigh
Roteiro: Mike Leigh
Produção: Simon Channing-Williams


 Atividade do Cineclube Alpharrabio – Cinéfilos, coordenados pelo prof. Edmundo Epifanio, conversam sobre os mais variados aspectos do cinema. O grupo está em formação e aceita participação de interessados. Agora são quinzenais (primeiras  e terceiras quartas do mês)

  http://cineclubeemsantoandre.blogspot.com/

 Volta ao topo

 

 

sábado - 25 de novembro - 16h

 

 

PROVA DOS NOVE

Ciclo Alpharrabio Documentários

Apoio: FAENAC


 

Passaporte Húngaro

[direção: Sandra Kogut – 2003, 71 min.]

 

Convidado : Aleksandar Jovanovic 

(Doutor em Semiótica e Lingüística Geral, tradutor e jornalista, atua na área de Linguagem e Educação.

 

 

"Através do pedido de um passaporte o documentário parte em busca da história de uma família , dividida entre dois mundos e dois exílios : aqueles que se foram e aqueles que permaneceram onde estavam.”

 

 

Prova dos nove

ciclo Alpharrabio de documentários

A livraria Alpharrabio, com o apoio da Faenac promove a partir do mês de março, estendendo-se por todo o ano de 2006, um ciclo de exibição e debates sobre alguns dos melhores documentários nacionais. A proposta é dar ao público uma dupla oportunidade: assistir a produções que são tão bem realizadas quanto difíceis de encontrar nos grandes circuitos e, a seguir, conversar sobre elas com outros interessados e convidados especiais, que contribuirão para os bate-papos com suas visões particulares sobre o documentário.

A exibição dos nove documentários, seguida da conversa entre o público e o convidado, será sempre aos sábados, às 16h, no auditório da livraria Alpharrabio, localizado na Rua Eduardo Monteiro, 151, em Santo André/SP (tel. 4438.4358).

 

PROVA DOS NOVE

(documentários)

PROGRAMAÇÃO (sábado – 16h)

 

 

25 de março: Boca de Lixo

[direção: Eduardo Coutinho – 1993, 54 min.]

Convidado: Cláudio Oliveira (é cineasta, crítico e editor de audiovisual da revista eletrônica de cinema Cineimperfeito.com.br)

 

29 de abril: Nelson Freire

[direção: João Moreira Salles – 2003, 102 min.]

Convidado: Flávio Florence (Regente da Orquestra Sinfônica de Santo André, Venceu por duas vezes o Concurso Jovens Regentes da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, é autor de diversas transcrições musicais, revisões e orquestrações, já executadas por várias orquestras, no Brasil e no exterior).

 

27 de maio: Janela da Alma

[direção: João Jardim, Walter Carvalho – 2002, 73 min.]

Convidada: Nanci Barbosa (é professora do curso de graduação Bacharelado  em Audiovisual do SENAC, integrante da Cátedra Prefeito Celso Daniel de Gestão de Cidades da Universidade Metodista de São Paulo, e do curso de Gestão e Políticas de Cultura e Gestão de Políticas Participativas para a cidade, também da Cátedra) 

 

24 de junho: Raízes do Brasil: Sérgio Buarque de Hollanda

[direção: Nelson Pereira dos Santos – 2004, 140 min.]

Convidado:Cláudio Bastidas (Mestre e doutor em psicologia pela PUC/SP, autor de Outra Beleza: estudo da Beleza para Psicanálise e Perversão: psicanálise, futebol e subjetividade brasileira).

 

29 de julho: O Prisioneiro da Grade de Ferro

[direção: Paulo Sacramento – 2003, 123 min.]

Convidado: Humberto Pereira da Silva (Doutor em filosofia da educação pela USP, é professor de filosofia e de sociologia no ensino superior. Desenvolve também as atividades de crítico de cinema e de colunista de cultura em órgãos como Revista de Cinema, Trópico e Digestivo Cultural)

 

 

26 de agosto: A pessoa é para o que nasce

[direção: Roberto Berliner – 2004, 84 min.]

Convidado: Luís Alberto de Abreu (dramaturgo, autor de mais de 3 dezenas de peças teatrais,entre as quais Bella Ciao, O livro de Jó e a tetralogia A comédia popular brasileira. Roteirista de cinema – Kenôma e Narradores de Javé – e TV – Hoje é Dia de Maria.

 

30 de setembro: ônibus 174

[direção: José Padilha – 2002, 128 min.]

Convidado: Sidnei Barreto (Doutorando em Linguística pela USP, professor da FAENAC).

 

28 de outubro: Justiça: o filme

[direção: Maria Augusta Ramos – 2004, 100 min.]

Convidada: Eliana Borges Cardoso (Advogada, mestre em direito pela USP, professora de prática trabalhista. Foi diretora da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo (2001-2005)

 

25 de novembro: Passaporte Húngaro

[direção: Sandra Kogut – 2003, 71 min.]

Convidado: Aleksandar Jovanovic (Doutor em Semiótica e Lingüística Geral, tradutor e jornalista, atua na área de Linguagem e Educação.

 Volta ao topo

 

28 de novembro a 2 de dezembro

 

O GESTO DA MÃO NA ARGILA

exposição e oficinas de cerâmica  

Vera Luz Almeida da Silva

 

 

28 de novembro a 2 de dezembro

 

O gesto da mão na argila

exposição e oficinas de cerâmica  

 

Vera Luz Almeida da Silva

 

de 28.11 a 2.12.06

 

Programação :

 

28.11.06, às 18h Abertura da exposição.  

Horário de visitação: das 13h00 às 19h00

Oficinas gratuitas (reservas e inscrições pelo fone 4438-4358)

Horário das oficinas :

 

29. 11 ( quarta-feira ) – das 13 às 16h

30. 11 ( quinta-feira ) das 16 às 19h

1º. 12 ( sexta-feira ) das 13 às 16h

02. 12 ( sábado ) – das 12 às 15h 

 

02.12 – ( sábado ) – 16h  - Encerramento festivo, com a apresentação do Grupo Lúmen e ABC Tangarás.

 

Enquanto amassamos o barro, e  com o projeto na cabeça, a idéia vai se modificando e o gesto da mão na argila não é mais planejado, é instintivo ! O tempo, a umidade, a consistência da massa , o humor do fazedor, vão,  juntos, dando realidade e forma à argila.

Mais alguns dias e a secagem e a primeira ida ao forno irão confirmar ou alterar os primeiros passos. Bolhas e pequenas rachaduras podem aparecer, até uma reavaliação da sua importância e alguma alteração se necessário, pode ser feita. Então, a escolha do vidrado vai dar a personalidade final da peça, a cor e a forma de colocá-lo.

A incandescência dos materiais a 1100º, a 1240º e mais, a mistura final, massa, óxidos, água, fogo, tudo reage para a imagem final.

E, espanto! No segredo do forno, a exatidão não existiu. Existiram os elementos, os processos, a energia, e, finalmente, cada peça sai com a sua personalidade (se podemos chamar assim ). Mesmo que a forma seja parecida, artesanalmente concebida, são testemunhos de pequenas ou grandes realidades!

Para mim a cerâmica tem um parentesco com o nascimento, com milagre, escapa a nossa compreensão.”

 

Vera Luiz Almeida da Silva  

 

O Alpharrabio (a livraria e o café)
 funciona no seguinte horário:

segunda/sexta, das 13 às 19h

sábado, das 9h30 às 13h

 

ATENÇÃO

Nosso endereço:
 Rua Eduardo Monteiro, 151 - Jd. Bela Vista
Santo André - SP - Brasil

Fone: (11) 4438.4358 - e-mail: alpharrabio@alpharrabio.com.br

www.alpharrabio.com.br

 

Visite a Livraria e o Café Alpharrabio

Índice | Livraria | Editora | Centro Cultural | Abecês | Mapa do Site | Envie o seu comentário