Volta ao índice inicial

Programação cultural
Lançamentos de Livros-Exposições
Música-Teatro- Conversas na Livraria
Leituras de Poesia

 

SETEMBRO/2006

 

(sábado) 2 de setembro - 10 h

 

 

OBSERVATÓRIO DO POEMA 2006

– o arco , a lira e a poesia contemporânea

coordenação : Tarso de Melo

  Em 2006 comemora-se – e é, de fato, algo a ser comemorado – o 50.º aniversário de edição do riquíssimo livro El arco y la lira , do poeta mexicano Octavio Paz (1914-1998). Aproveitando a efeméride , o Observatório do poema deste ano será dedicado a uma tarefa longa , prazerosa e exigente: realizar a leitura integral dessa obra de Paz lado a lado com alguns dos principais textos sobre poesia contemporânea brasileira.

O propósito da empreitada é aprofundar as discussões sobre questões atuais que são o objeto do Observatório há 19 encontros com o auxílio propiciado pelas reflexões de um grande poeta sobre seu ofício . O famoso livro de Octavio Paz se defronta com uma questão gigantesca sobre a especificidade do poético: há um modo de dizer – a poesia que não pode ser reduzido a qualquer outro ? Para responder a tal questão, Paz recorre a uma erudição impressionante , cruza os séculos , investiga as transformações do fazer poético, mas ainda mais impressionante é a leveza com que suas idéias – e, se é possível separar , seu texto sedutor – perpassam os imensos obstáculos que se colocam diante de qualquer tentativa de reduzir a questão e confundir poesia ( jogo que não se conforma a regras ) e poema ( essecaracol onde ressoa a música do mundo”).

El arco y la lira conta , assim , de um leque imenso de dúvidas . É estimulante o modo como sua investigação amarra passado e presente, Oriente e Ocidente , ao descobrir as profundas continuidades entre a poesia das épocas e lugares mais distantes; os cinqüenta anos que se passaram desde seu lançamento não abalam (e a leitura detida que faremos será importante para sustentar a afirmação) em nada a relevância da contribuição de Paz para a compreensão das diversas formas atuais de manifestação da poesia .

Nosso objetivo, assim, será seguir o pensamento de Paz , apreendendo criticamente o alcance de suas reflexões , para alimentar os debates sobre a produção contemporânea . Para tanto, o livro de Paz foi dividido em dez partes, cuja leitura será acompanhada, a cada mês, de um texto sobre poesia contemporânea (ensaios de caráter geral, resenhas, depoimentos de poetas) e, conseqüentemente, da leitura dos livros a que se referem tais textos (ou, ao menos, dos poemas referidos no corpo dos ensaios / resenhas ).

Se for possível, ao final, descobrir as pontes e os abismos entre o quadro pintado em El arco y la lira e a poesia que se fez no último meio século e aquela que se faz hoje, o Observatório terá dado um passo tamanho. Se for possível, então, imaginar com muita petulância e algum acerto três ou quatro linhas que Octavio Paz gostaria de somar a uma edição de seu livro no ano de 2006, terá dado um salto.  

Há uma edição nacional de O arco e a lira, lançada em 1982, mas ela atualmente é de difícil acesso: esgotou há tempos na editora e raramente aparece nos sebos . Mais fácil de encontrar é a edição original em espanhol , da Fondo de Cultura Económica ( que publica as sucessivas edições da obra desde a primeira , em 1956, e tem uma livraria em São Paulo – tel. 3672.3397). A coletânea de ensaios lançada no Brasil em 1971 sob o título Os signos em rotação que provavelmente está em catálogo e é mais fácil de encontrar nos sebos – contém seis dos quinze ensaios de Paz que enfrentaremos; além do próprio “Os signos em rotação ”, traz ainda os textosVerso e prosa”, “A imagem”, “A consagração do instante”, “Ambigüidade do romance” e “O verbo desencarnado”.

Por fim, vale lembrar que o Observatório continua sendo um grupo aberto de debate sobre as mais diversas questões que interessam ao leitor de poesia . Pela própria natureza das discussões, não é absoluta a continuidade entre os debates mensais, nem é obrigatória a leitura prévia dos textos selecionados ( por mais que seja desejável e recomendável, para o melhor aproveitamento de nosso tempo, que sejam lidos!).


 

VIII. 2 de setembro Ambigüidade do romance

  • Octavio Paz , “ Ambigüidade do romance em O arco e a lira (pp. 267/282)
  • Octavio Paz , “ Poesia , Sociedade , Estado em O arco e a lira (pp. 351/360)
  • Vera Lins, “ Poesia e tempos sombrios em Cacto , n. 2 (pp. 72/84)

[ estudo sobre o caráter sombrio ” de parte da produção poética contemporânea , como na obra de Claudia Roquette-Pinto, Age de Carvalho e Sebastião Uchoa Leite ]  

 Clique aqui (programação completa) 

Volta ao topo

 

06 de setembro (quarta)

 

CINECLUBE

Tema de setembro: Violência

 

 

quarta, 06 de setembro de 2006 - 15h

 

Tema mês de setembro Violência

O Homem do Ano 

Dir. José Henrique Fonseca - 2002
116 min

Uma ingênua aposta entre amigos transforma um homem comum em um assassino e herói de toda uma cidade. Com Murilo Benício, Cláudia Abreu, Natália Lage, Jorge Dória, André Gonçalves e Mariana Ximenes.


 Atividade do Cineclube Alpharrabio – Cinéfilos, coordenados pelo prof. Edmundo Epifanio, conversam sobre os mais variados aspectos do cinema. O grupo está em formação e aceita participação de interessados. Agora são quinzenais (primeiras  e terceiras quartas do mês)

  http://cineclubeemsantoandre.blogspot.com/

 

 Volta ao topo

 

 

quinta, 14 de setembro, 18h30

 

 

Lançamento de Livro:

 

Comentários à Lei dos Consórcios Públicos

 (Lei Federal no. 11.107, de 6.4.2005) - Gestão associada e cooperação interfederativa

de Vladimir Alves

 

A obra procura traduzir as linhas gerais a respeito das formas de associativismo em matéria de gestão pública na busca de objetivosde interesse comum dos entes federados.

 

"Em boa hora veio a lume o regramento disciplinador da estrutura e do funcionamento dos consórcios públicos, assim como, em boa hora, Vladimir Alves oferece ao mundo jurídico brasileiro - em caráter, pode-se dizer, pioneiro - os precisos e bem lançados comentários que compõem a presente obra.

(...)

Como se vê, o autor foi extremamente bem sucedido no propósito de associar à segurança do jurista,  a objetividade do homem de imprensa, resultando desta feliz união, trabalho de expressiva densidade técnica e, ademais, de leitura agradável e fluente" 

Eduardo Domingos Bottallo, no Prefácio da obra

 

Vladimir Alves é advogado, consultor jurídico do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC e sócio do escritório Vladimir Alves Advogados Associados.

 

Volta ao topo

 

 16 de setembro (sábado) - 16 h

 

 

Idéias de encontro

Pensamento Atual

 

 

FLORESTAN FERNANDES

 

 

 

 

Florestan Fernandes (1920 – 1995)  

 

(Sociólogo, começa a escrever no final dos anos 40 e ao longo de sua vida publicou mais de 50 livros e centenas de artigos,  é autor, entre outros, Organização Social dos Tupinambá (1949); A Função Social da Guerra na Sociedade Tupinambá (1952); Fundamentos Empíricos da Explicação Sociológicas (1959); A Revolução Burguesa no Brasil (1975).

 

Convidado: João Carlos de Morais 

(doutor em Arquitetura e Urbanismo pela PUC-SP, Coordenador do Núcleo de Pesquisa Institucional em Desenvolvimento Regional da FAENAC)

 

 

 

 

 

Idéias de encontro

Pensamento Atual

 

 

Como o pensamento de Sócrates, transmitido por seus discípulos, pode nos ajudar a pensar melhor sobre nossa realidade? O que as idéias de Marx ou de Freud, depois de tudo que já foi feito e desfeito com elas, têm a contribuir para o nosso tempo? Por que as meditações de Montaigne ainda são fundamentais para o nosso entendimento? Por que as obras de Paulo Freire, Florestan Fernandes, Celso Furtado e Antonio Candido ainda justificam que as busquemos por baixo das camadas e mais camadas de livros que, em tão pouco tempo, já as sucederam?

O Alpharrabio, com o apoio da Faculdade Editora Nacional (FAENAC) retoma o ciclo IDÉIAS DE ENCONTRO, agora dedicado a palestras sobre o PENSAMENTO ATUAL de autores cujas idéias tiveram repercussão mundial, ajudará você a lidar com essas perguntas que muitos têm feito, num momento em que, cada vez mais, tudo o que parecia sólido se desmancha no ar...

Filosofia, política, educação, literatura, enfim, a vida e tudo o que foi objeto da reflexão desses pensadores mudou depois deles. E nossos convidados, todos eles acostumados à profunda convivência com as obras desses autores, apresentarão ao público e debaterão as principais idéias que eles defenderam, buscando revelar o quanto há de atual, de vivo, de (ainda) perturbador no que disseram.

Além de ser uma grande oportunidade para aprender sobre alguns dos principais pensadores de todos os tempos, o ciclo será um estímulo à reflexão mais firme, mais profunda, com olhos mais abertos, sobre nossas próprias questões.  



Idéias de encontro

Pensamento atual

 

 

21 fevereiro (terça - 18h)

Pensamento Atual : Montaigne (1533-1592)

Convidado : José Mindlin

 

11 março (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Karl Marx (1818-1883)

Convidado : Antonio Rago Filho

 

13 de maio (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Sócrates (c470 a.C. - 399a.C.)

Convidado : Marcos Sidnei Eusébio

 

10 de junho (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Paulo Freire (1921-1997)

Convidado : Daniel Pansarelli

 

12 de agosto (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Sigmund Freud (1856-1939)

Convidado : Siegfried Wehr

 

 16 de setembro (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Florestan Fernandes (1920-1995)

Convidado : João Carlos de Morais

 

21 de outubro (sábado - 16h)

Celso Furtado (1920-2004)

Convidada : Rosa Maria Vieira

 

11 de novembro (sábado - 16h)

Pensamento Atual : Antonio Candido (1918)

Convidado : Vera Vieira

Volta ao topo

 

quarta, 20 de setembro de 2006 - 15h

 

CINECLUBE

Tema de setembro: Violência

 

 

 

Tema mês de setembro: Violência

Laranja Mecânica 

Dir. Stanley Kubrick
138 min

 

No futuro, o líder de uma gangue de delinquentes é preso e usado como cobaia num experimento para frear os impulsos destrutivos. Dirigido por Stanley Kubrick (Spartacus) e com Malcolm McDowell no elenco. Recebeu 4 indicações ao Oscar.


Atividade do Cineclube Alpharrabio – Cinéfilos, coordenados pelo prof. Edmundo Epifanio, conversam sobre os mais variados aspectos do cinema. O grupo está em formação e aceita participação de interessados. Agora são quinzenais (primeiras  e terceiras quartas do mês)

  http://cineclubeemsantoandre.blogspot.com/

 

 Volta ao topo

 

 

21 de setembro (quinta) - 19 h

 

Projeto Frenesy  

 

Traz uma proposta litero musical composta por um repertorio de leituras e releituras de nomes consagrados da música nacional e latina americana, incluindo músicas de seu próprio repertório.

 

Com sua formação de jovens músicos sob a coordenação de Henrique Crispim, o projeto fez apresentações em atividades culturais nos festivais da região e em um festival dedicado a década de 60, 70,80 e 90 na faculdade São Judas;

 

 

Formação :

                Willian;  Violão

                Silvio Lucio; Backing Vocais

                Rafael Lacerda; Violões

                Henrique Crispim; Violão e Voz

 

 

 Volta ao topo

(sábado) 23 de setembro - 17 h

 

Pocket Show com a banda KAH-HUM-KAH

 

KAH-HUM-KAH
10 ANOS DE MISTURALISMO E SINESTESIA


Em seis de junho de 1996 Denise Coelho assistia uma pequena performance de um grupo de músicos num barzinho em São Tomé das Letras, sul de Minas Gerais. No grupo estavam Jefferson Sooma e Leandro Valquer, cuja parceria tem criado canções belas e contemplativas. Jefferson tocava seu violão, cantava e tocava sua flauta de bambu. Leandro tocava bongô e cantava. Outras pessoas vinham e se juntavam à roda animada. Extremamente tímida, a estudante de canto lírico Denise observava e pensava se devia ou não cantar com eles. Três meses depois os três gravavam uma pequena fita cassete com as canções "Como Cristo consentiu?" e "Ser...tão" para participar de um festival escolar em São Bernardo do Campo, SP. "Como Cristo consentiu?" ficou em primeiro lugar no festival que tinha no júri os músicos Zé Terra e Célio Collela. Desde então o grupo Carranca, que tirou este nome de uma página do dicionário aberta ao acaso, vem se apresentando em diversos lugares do planeta, tendo sempre em mente o rompimento das fronteiras artísticas (se é que elas existem).
Carranca virou Karran-K que virou K.RAM.K que virou KAH-HUM-KAH. O primeiro foi um erro bem vindo cometido por quem fez seu primeiro cartaz oficial para uma apresentação na extinta Cervejaria da Avenida Dom Pedro II em Santo André, SP. O tal erro motivou a pensar outras grafias. As duas letras K de K.RAM.K significam dois mil, pois o grupo nasceu às vésperas da mudança de milênio. A palavra RAM fica no meio dos Ks como um elo entre os milênios: a tradição hindu e a memória cibernética. A última grafia, KAH-HUM-KAH, fala sobre as novas aspirações do grupo: tem o mesmo significado anterior adicionado da palavra inglesa HUM que quer dizer som contínuo, ou seja, música sempre, poesia sempre, arte sempre.
Arte sempre. Música, poesia, artes plásticas e de dois anos para cá circo e dança. Tudo misturado. E ainda sons, cores, cheiros, paladares, toques. Tudo é Misturalismo: a dança tem cheiro de som e temperatura de fogo, a pele negra dos tambores exala macios perfumes de gosto doce, cordas de metal se fundem às "cordas" vocais e à corda que sustenta um anjo acrobático, o hálito fumegante incorpora o sopro da flauta e dos pulmões em plena vida e atividade. Tudo é Sinestesia.
Denise Coelho, Jefferson Sooma, Rogério Amorim, Fábio Santos, Ívan Taraskevicius, Raifah Monteiro, Rangel Arthur e Rosana Ribeiro são as forças humanas do KAH-HUM-KAH de hoje. Vozes, violão, percussão, teatro, circo, baixo elétrico, mais percussão, outro violão, flauta, clarinete, flauta transversal, ocarina, percussão corporal, mais teatro, dança. Consciência ambiental, interatividade, arte. Intercâmbio cultural mundial, desenvolvimento de projetos sócio-culturais, sensibilização artística, crença na arte como agente transformador social, afirmação da cidadania, força de trabalho, artistas convidados, projeto Um Dia Sinestésico, oficinas, ativismo, promoção e estímulo de ações, experiência, potencial, objetivo, intervenção, realização, colaboração inovadora, criação.

www.k-ram-k.com.br     k-ram-k@k-ram-k.com.br
(0xx11)8538-2142    (0xx11)4994-1425   São Paulo Brasil


APRESENTAÇÕES NO BRASIL E EXTERIOR
International Arts Festival, New Orleans, ESTADOS UNIDOS
Semana de Ativismo Contra o Racismo, Montreal, CANADÁ
Recoleta, Buenos Aires, ARGENTINA
São Paulo, Brasil
Rio de Janeiro, Brasil
Rio Grande do Sul, Brasil
Santa Catarina, Brasil
Paraná, Brasil


FUNDAÇÃO KAH-HUM-KAH é uma idéia de ação prática, na qual se desenvolvem projetos de empoderamento civil por meio da arte e da cultura. Administra o Programa Educação e Cultura: Meio de Transporte em parceria com o SEST SENAT ABC, a ONG ambientalista ISPIS - Instituto Sincronicidade para Interação Social e a ONG Internacional GYAN - Global Youth Action Network. As ações incluem educação ambiental, aulas de inglês, arte educação, voluntariado, arte reciclagem, ativismo cultural e os projetos 110 volts, Um Dia Sinestésico e Projeto Oficinativa.
Participe conosco: faça os cursos, dê os cursos!
Informações: Caixa Postal 73, Ribeirão Pires, SP, CEP 09400 970
(0xx11)95542129        projetooficinativa@hotmail.com


MISTURALISMO + SINESTESIA
Para entender e compartilhar a proposta do grupo KAH-HUM-KAH conheça estes dois conceitos que fundamentam o trabalho.
MISTURALISMO (neologismo) 1) Diálogo íntimo entre linguagens diferentes e/ou complementares. 2) Arte mescla, livre, diversa e sem fronteiras. 3) Miscelâneo; misturado; mexido 4) Ruptura com rótulos estéticos estáticos. 5) Movimento; trânsito; fluxo.
SINESTESIA "1) a relação subjetiva que se estabelece espontaneamente entre uma percepção e outra que pertença ao domínio de um sentido diferente (por exemplo: um perfume que evoca uma cor, um som que evoca uma imagem, etc.). 2) sensação em uma parte do corpo produzida pelo estímulo em outra parte." (Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa, 3.ed.).


CAMPANHA DE ARRECADAÇÃO DE FUNDOS PARA A VIAGEM DO KAH-HUM-KAH À ESPANHA

O KAH-HUM-KAH foi convidado para participar do ENLACE-D em Córdoba na Espanha. É um Encontro Mundial de organizações que acreditam que a Arte, a Cultura e a Educação são instrumentos de transformação individual e do coletivo. Será entre os dias 29 de Setembro a 08 de Outubro de 2006. Lá serão trocadas metodologias e contruídas pontes entre estes grupos de todo o mundo.

"Desde que iniciamos a campanha já arrecadamos R$22.000 e só faltam R$16.000.
Contamos com seu apoio para representar o Brasil na Europa com o melhor do Misturalismo e da Sinestesia. Nosso prazo é até 18 de Setembro, se puder nos apoiar a HORA É AGORA.

Para conseguir o dinheiro restante montamos a campanha "VAMOS PASSAR A SACOLINHA". Ficarão disponíveis 09 músicas inteiras para você "baixar" no nosso site. De graça!!! Mas claro que se você quiser nos fazer uma doação nós aceitaremos.

PARA BAIXAR AS MÚSICAS BASTA CLICAR NOS LINKS ABAIXO. Não se assuste que não é vírus, quando abre a janela significa que você pode salvar direto no seu computador.

Sugestão:
- Para doar ATÉ R$10,00 (envie embrulhadinho pelo correio - "à moda antiga")
Rua Dona Elisa Fláquer, 128 Centro - Santo André - CEP 09020-160
- Para doar ACIMA de R$10,00 (deposite na Conta 20.703-9 Agência 0264-X Banco do Brasil)

Se ficar em dúvida sobre a veracidade da campanha ligue para gente: 11 4994 1425."

Mesmo que você não possa doar, ouça as músicas e repasse a campanha para outros amigos e amigas.

VAMOS PASSAR A SACOLINHA!
KAH-HUM-KAH
www.k-ram-k.com.br

Observação: Todas as pessoas que doarem, independentemente do valor, receberão um e-mail ou carta com um VALE SHOW que dará direito a você e mais um acompanhante para assistir um show do KAH-HUM-KAH gratuitamente. Promoção válida até Dezembro de 2007.
Importante: Se não alcançarmos o valor suficiente DEVOLVEREMOS sua doação.

Volta ao topo

 

 

sábado - 30 de setembro - 16h

 

 

PROVA DOS NOVES

Ciclo Alpharrabio Documentários

Apoio: FAENAC


 

ÔNIBUS 174

[ direção : josé padilha – 2004, 128 min.]  

 

 

Convidado :Sidnei Barreto 

(doutorando em linguísticapela USP, professor da FAENAC)

 

 

Uma investigação cuidadosa, baseada em imagens de arquivo , entrevistas e documentos oficiais , sobre o seqüestro de um ônibus em plena zona sul do Rio de Janeiro . O incidente , que aconteceu em 12 de junho de 2000, foi filmado e transmitido ao vivo por quatro horas , paralisando o país . No filme a história do seqüestro é contada paralelamente à história de vida do seqüestrador , intercalando imagens da ocorrência policial feitas pela televisão . É revelado como um típico menino de rua carioca transforma-se em bandido e as duas narrativas dialogam, formando um discurso que transcende a ambas e mostrando ao espectador porque o Brasil é um país é tão violento .

 

 

Prova dos nove

ciclo Alpharrabio de documentários

A livraria Alpharrabio, com o apoio da Faenac promove a partir do mês de março, estendendo-se por todo o ano de 2006, um ciclo de exibição e debates sobre alguns dos melhores documentários nacionais. A proposta é dar ao público uma dupla oportunidade: assistir a produções que são tão bem realizadas quanto difíceis de encontrar nos grandes circuitos e, a seguir, conversar sobre elas com outros interessados e convidados especiais, que contribuirão para os bate-papos com suas visões particulares sobre o documentário.

A exibição dos nove documentários, seguida da conversa entre o público e o convidado, será sempre aos sábados, às 16h, no auditório da livraria Alpharrabio, localizado na Rua Eduardo Monteiro, 151, em Santo André/SP (tel. 4438.4358).

 

PROVA DOS NOVE

(documentários)

PROGRAMAÇÃO (sábado – 16h)

 

 

25 de março: Boca de Lixo

[direção: Eduardo Coutinho – 1993, 54 min.]

Convidado: Cláudio Oliveira (é cineasta, crítico e editor de audiovisual da revista eletrônica de cinema Cineimperfeito.com.br)

 

29 de abril: Nelson Freire

[direção: João Moreira Salles – 2003, 102 min.]

Convidado: Flávio Florence (Regente da Orquestra Sinfônica de Santo André, Venceu por duas vezes o Concurso Jovens Regentes da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, é autor de diversas transcrições musicais, revisões e orquestrações, já executadas por várias orquestras, no Brasil e no exterior).

 

27 de maio: Janela da Alma

[direção: João Jardim, Walter Carvalho – 2002, 73 min.]

Convidada: Nanci Barbosa (é professora do curso de graduação Bacharelado  em Audiovisual do SENAC, integrante da Cátedra Prefeito Celso Daniel de Gestão de Cidades da Universidade Metodista de São Paulo, e do curso de Gestão e Políticas de Cultura e Gestão de Políticas Participativas para a cidade, também da Cátedra) 

 

24 de junho: Raízes do Brasil: Sérgio Buarque de Hollanda

[direção: Nelson Pereira dos Santos – 2004, 140 min.]

Convidado:Cláudio Bastidas (Mestre e doutor em psicologia pela PUC/SP, autor de Outra Beleza: estudo da Beleza para Psicanálise e Perversão: psicanálise, futebol e subjetividade brasileira).

 

29 de julho: O Prisioneiro da Grade de Ferro

[direção: Paulo Sacramento – 2003, 123 min.]

Convidado: Humberto Pereira da Silva (Doutor em filosofia da educação pela USP, é professor de filosofia e de sociologia no ensino superior. Desenvolve também as atividades de crítico de cinema e de colunista de cultura em órgãos como Revista de Cinema, Trópico e Digestivo Cultural)

 

 

26 de agosto: A pessoa é para o que nasce

[direção: Roberto Berliner – 2004, 84 min.]

Convidado: Luís Alberto de Abreu (dramaturgo, autor de mais de 3 dezenas de peças teatrais,entre as quais Bella Ciao, O livro de Jó e a tetralogia A comédia popular brasileira. Roteirista de cinema – Kenôma e Narradores de Javé – e TV – Hoje é Dia de Maria.

 

30 de setembro: ônibus 174

[direção: José Padilha – 2002, 128 min.]

Convidado: Sidnei Barreto (Doutorando em Linguística pela USP, professor da FAENAC).

 

28 de outubro: Justiça: o filme

[direção: Maria Augusta Ramos – 2004, 100 min.]

Convidada: Eliana Borges Cardoso (Advogada, mestre em direito pela USP, professora de prática trabalhista. Foi diretora da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo (2001-2005)

 

25 de novembro: Passaporte Húngaro

[direção: Sandra Kogut – 2003, 71 min.]

Convidado: Aleksandar Jovanovic (Doutor em Semiótica e Lingüística Geral, tradutor e jornalista, atua na área de Linguagem e Educação.

 Volta ao topo

 

O Alpharrabio (a livraria e o café)
 funciona no seguinte horário:

segunda/sexta, das 13 às 19h

sábado, das 9h30 às 13h

ATENÇÃO

Nosso endereço:
 Rua Eduardo Monteiro, 151 - Jd. Bela Vista
Santo André - SP - Brasil

Fone: (11) 4438.4358 - e-mail: alpharrabio@alpharrabio.com.br

www.alpharrabio.com.br

 

Visite a Livraria e o Café Alpharrabio

Índice | Livraria | Editora | Centro Cultural | Abecês | Mapa do Site | Envie o seu comentário